sexta-feira, 24 de agosto de 2012

A Revolta de Atlas da Silva (Parte 2)


Meu texto de hoje no OrdemLivre:
Antes de se tornar a empreendedora bem-sucedida, Maria Taioba sabia exatamente o que era viver num mundo em que os serviços públicos ou inexistiam ou eram indesejáveis – como a escola. Com o crescimento da sua empresa, e a legalização compulsória do seu negócio, passou a ver a economia com outros olhos e a despender esforços, paciência e dinheiro não na prosperidade da sua empresa, mas na tentativa de vencer todas as dificuldades criadas pela administração pública, que além de servir como agente de desestímulo, ainda espoliava, com o peculiar cavalheirismo estatal, parte de sua receita em forma de tributos. A opção era entre ser mais ou menos espoliada ou, se se recusasse a cumprir as regras, sê-la completamente e perder o negócio.
Leitura recomendada:

- A Revolta de Atlas da Silva.